Tanta paranóia, nem o Freud explica

24/05/2012 12:48

Após o fracasso do marxismo – leninismo no Brasil pelo desencadeamento da Contrarrevolução de 1964, os comunistas procuraram refazer - se da reação inesperada e vitoriosa.

Quem olhasse o Brasil à época poderia apostar que o comunismo triunfaria. Os fanáticos por Marx, Trotsky, Mao, Stalin, Fidel, haviam montado o dispositivo ideal para a tomada do poder.  A reviravolta deixou - os estupefatos.

Depois, com o beneplácito do espírito democrático vigente, foram se reagrupando, subvertendo, assaltando, explodindo, seqüestrando e infernizando o País com sua esquizofrenia comunista.

Os Presidentes Generais reagiram aos atos criminosos e estabeleceram dispositivos legais para dar combate àqueles inimigos sem rosto, com falsas identidades, e que não pestanejavam em justiçar companheiros, caso desconfiassem de sua lealdade.

Os lados oponentes, por vezes se chocaram e, na luta, morreram subversivos, agentes do governo e até pessoas inocentes.

Não era o propósito das forças legais exterminarem os criminosos e, sim, prendê – los para que fossem julgados. E eles sempre contavam com o concurso de famosos advogados, e sem pagarem por seus crimes, eram soltos, na maioria, após pouco tempo de encarceramento.

Alguns, nem isto, pois foram para o exterior, mediante sua troca por seqüestrados pelos seus cumpanheiros. Mas anistiados todos os criminosos voltaram, prestigiados, mais canalhas, mais paranóicos.  

Outros, sem o treinamento em escolas no exterior, na China, Rússia e Cuba, sem o preparo psicológico para as ilegais ações que os induziram a realizar, quando presos, não suportavam, e até tiravam a própria vida.

Na época, muitos jovens aventuraram - se a ser guerrilheiros nas selvas (como os enganados estudantes da "Guerrilha do Araguaia"); surgiram os grupelhos também de iludidos nas cidades, que atendiam como massa de manobra aos desígnios de seus escolados chefes.

Alguns, com falsas identidades se escafederam, como o Dirceu, mas sem o apoio que o “pai do mensalão” teve da metamorfose ambulante, optaram por novos rumos, com novas famílias e vivem por aí, embora constem como mortos.

Na atualidade, assistimos com pesar os integrantes do “Levante Popular da Juventude” (com seus “escrachos” e “esculachos”), seguindo a mesma insânia de seus antecessores, e testemunhamos como jovens mal orientados protagonizam cenas degradantes e gestos ofensivos e dignos de repúdio, como dar cusparada nos seus alvos.

Imaginemos como nas décadas de 60 e 70, eles impregnaram e iludiram aqueles adolescentes, que no seu idealismo distorcido foram cooptados, e muitos perderam a própria vida na sua malfadada missão.

A dolorosa e arriscada missão dos agentes da repressão era a de inibir, não de matar, era prendê – los para serem julgados, e não trucidá - los ou torturá - los.

Não foi criado aqui um “PAREDON”, como em Cuba da elogiada tirania castrista, seu referencial. Os Presidentes dos governos militares, não pretendiam extinguir seus torpes inimigos.

Muitos já perguntaram, porque não eliminaram a Dilma, o Genuíno, o Tarso, o Dirceu e outros que hoje pululam no cenário nacional com desenvoltura, e gozando de plena saúde, sem traumas de torturas físicas ou mentais buscando uma vingança vergonhosa?

Sim, tiveram suas vidas preservadas, sem seqüelas, mas espertos para levar vantagem em tudo, pois se autonomearam de heróis, e pela disseminação de idéias falsas alcançaram o poder, receberam polpudas indenizações, e avançam sem oponentes, rumo ao estabelecimento de um tirânico governo marxista - leninista no Brasil.

Sim, alguns acreditam que os governos militares deveriam ter sido implacáveis, eliminando sem pruridos, este bando de canalhas.

Não sofreram, mas fizeram uma avassaladora guerra psicológica, tão eficaz que passaram a usufruir, com boa saúde, é bom ressaltar, das vantagens da incessante e incansável propaganda de seu comunismo oportunista.

Nenhum deles morreu, infelizmente.

Brasília, DF, 23 de maio de 2012

Gen. Bda Rfm Valmir Fonseca Azevedo Pereira

http://www.ternuma.com.br/