O silêncio às vezes mata... DE VERGONHA.

03/09/2011 07:33

     Em Recife foi lançado com pompa e circunstância o “Comitê da Memória, Verdade e Justiça”, cujo objetivo é massacrar o que resta da dignidade da Contrarrevolução de 31 de março de 1964.

     A intenção é propagar os Comitês pelo Brasil a fora, além de pressionar, pelo clamor público, a criação da Comissão da Verdade.

     De um lado o desgoverno e seus ministérios, em especial os da Justiça, dos Direitos Humanos e da Defesa, além do maciço apoio de uma parte substancial da mídia, sem contar a imprensa oficial do desgoverno; e do outro, bem do outro, um silêncio do “quem cala consente”.

     Nós, nem sabemos mais de que lado estamos, decididamente, somos contra a descarada perseguição e, não temos espaço nem a condescendência do outro lado, por isso, é provável que estejamos no limbo, de braços dados com os perdedores, os idiotas, os tresloucados.

    O outro lado não nos quer, pelo contrário, deve ruminar reprovações, e quem sabe lamentar a existência de uns poucos, felizmente para a sua tranquilidade, que ainda tem a descarada capacidade de se indignar.

     Estamos enfiados no buraco negro, pensamos, lamentamos e esperneamos, mas não existimos, contrariando o filósofo René Descartes (Cogito, ergo sum).

     Enquanto, com aval e sustentação sabe - se lá de quem, as forças se unem para o massacre anunciado que será perpetrado pela Comissão da Verdade; do outro lado, é proibido, inclusive, rezar.

     Talvez na ânsia de atestar a total submissão fosse a hora de serem criados deste lado (que lado?) os “Comitês do nunca mais cumpro ordens, do não acredito em mais nada, e do eu não faço nunca mais”.

     Meus preclaros e tartamudos sacos de pancada, no Araguaia cavoucam em busca de ossos, nos comitês cavoucam as armas do achincalhe, da desonra e da condenação.

     O revanchismo, se é que existe, foi substituído de há muito, pela pura e simples perseguição, e é na verdade um instrumento de pressão que nunca deixará de ser usado, mesmo após a morte do ultimo combatente das tropas legais que impediram, que eles, os coitadinhos, tomassem a ferro e fogo o poder neste Pindorama.

     Sem duvida, a tática opressiva tem dado excelentes resultados, pois nas baias, falar em contrarrevolução é pecado capital, nos agentes que combateram a subversão e a desordem, um crime de lesa - pátria.

     Chegaremos num ponto que cochichar será proibido, mesmo sob o forte impacto de xingamentos e de palavras injuriosas, nossa atitude deverá ser a de subalternidade, e, sublinhando uma imoral condescendência, teremos que responder... AMÉM. 

     A lei do silêncio imposta é ensurdecedoramente vergonhosa, pois agride a liberdade de expressão, avilta a democracia, cala a verdade, abafa insatisfações, atende o opressor e condena os que insistem em clamar por justiça.

Brasília, DF, 01 de setembro de 2011.

Gen. Bda Rfm Valmir Fonseca Azevedo Pereira

Grupo Terrorismo Nunca Mais

http://www.ternuma.com.br/